Fontes de Consulta e Referências - Constância Lima Duarte

AUGUSTA, Nísia Floresta Brasileira. Fragmentos de uma obra inédita. notas biográficas. Trad. Nathalie Bernardo da Câmara. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

 

BARANDAS, Ana Eurídice Eufrosina de. O ramalhete ou Flores escolhidas no jardim da imaginação. Porto Alegre: Tipografia Fonseca, 1845. (2. ed. Porto Alegre: Nova Dimensão, EDIPUCRS, 1990).

 

BLAKE, Vitorino Sacramento. Dicionário bibliográfico brasileiro, em 7 volumes: de 1883 a 1902. Edição Eletrônica. Belo Horizonte: FAPEMIG, Fundação João Pinheiro. (Coleção Mineiriana).

BRASIL, Joaquim Pinto. Breve exposição do Hendecálogo e alguns artigos regulamentares da Episcopal Associação Ensaio Filosófico. Rio de Janeiro: Typographia do Diário, de N. L. Vianna, 1849.

 

CÂMARA, Adauto da. Augusto Américo de Faria Rocha, um educador esquecido. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 22 out. 1950.

 

CÂMARA, Adauto da. História de Nísia Floresta. 2. ed. Natal: Departamento Estadual de Imprensa, 1997.

 

CÂMARA, Rinaldo Pereira da. Biografia do Marechal Câmara. Porto Alegre: Globo, 1964. p. 142-143; 379-383.

 

CASCUDO, Luís da Câmara. O Sítio Floresta.

A República, Natal, 17 jan. 1940.

 

CASCUDO, Luís da Câmara. Nosso amigo Castriciano (1874-1947): reminiscências e notas. Recife: Imprensa Universitária, 1965.

 

CASTRICIANO, Henrique. Nísia Floresta. Almanaque Brasileiro Garnier. Rio de Janeiro, 1909. (e também 18 de dezembro de 1930).

 

CASTRICIANO, Henrique. Uma figura literária do Nordeste: Nísia Floresta. Livro do Nordeste. Comemorativo do 1º Centenário do Diário de Pernambuco. 1825-1925. Recife: Diário de Pernambuco, 1925. p. 188-189. (Edição Fac-similada. Introdução de Mauro Mota. Prefácio de Gilberto Freyre. Recife: Arquivo Público Estadual; Secretaria da Justiça, 1979).

 

CHERBULIEZ, Joel. Revue Critique des Livres Nouveaux. Seconde Série, 1re. année. Paris: Chez Joel Cherbuliez Librairie, 1858. p. 23.

 

COMTE, Auguste. Auguste Comte e Mme. Nísia Brasileira: correspondance. Paris: Librairie Albert Blanchar, 1919. p. 9.

 

DIÁRIO DE PERNAMBUCO, Recife, 18/09/1829; 11/01/1832; 27/06/1832; 11/09/1832; 14/12/1832; 17/03/1834; 04/08/1835.

Disponível em: www.memoria.bn.br Acesso em: 10 dez. 2018.

 

DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta: vida e obra. Natal: Editora da UFRN, 1995 (2. ed. 2008).

 

DUARTE, Constância Lima. (Org.). Cartas: Nísia Floresta & Auguste Comte. Florianópolis: Mulheres, 2002.

 

DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta: a primeira feminista do Brasil. Florianópolis: Mulheres, 2005.

 

DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta: uma mulher à frente do seu tempo. Fotobiografia. Ilustrações de Luiz Fernando Ricardi.

Brasília: Mercado Cultural, 2006. (Projeto Memória Banco do Brasil).

 

DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana, 2010. (Coleção Educadores MEC).

 

 

ESPELHO DAS BRASILEIRAS. Recife-PE, Coleção completa em formato digital, na Hemeroteca Digital Brasileira. Disponível em: www.hemerotecadigital.bn.br Acesso em: 12 set. 2018.

 

FAZENDA, José Vieira. Antiqualhas e memórias do Rio de Janeiro. Revista do Instituto Histórico e Geográphico Brasileiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Tomo 93, v. 147, p. 77-78, 1927.

 

FERREIRA, Lígia Fonseca. Nísia Floresta: une Brésilienne en Europe. Cahiers du Brésil Contemporain, Paris, n. 12, p. 21-42, décembre 1990.

 

FLORES, Hilda A. Hübner. Nísia Floresta Brasileira Augusta. Letras de hoje, Porto Alegre, v. 27, n. 3, 1992.

 

FRANÇA, Adherbal. Vida profana. Rio de Janeiro: Papelaria Brasil, 1926. p. 230.

 

GALVÃO, Hélio. Nísia e Henrique. Revista da Academia Norte-Riograndense de Letras. Natal: ano XIX, n. 8, maio 1970.

 

GALVÃO, Hélio. Precursora dos direitos da mulher. Discurso pronunciado no Instituto de Educação de Natal, em 11/09/1954. Revista Bando, Natal, ano VI, n. 7, jan. 1955.

 

GONDIM, Isabel. Nysia Floresta Brasileira Augusta. (Dyonisia Gonçalves Pinto era o seu nome). Natal, 2 mar. 1884. Texto manuscrito de acervo particular.

 

KOSTER, Henry. Viagens ao Nordeste do Brasil. Trad. Luís da Câmara Cascudo. 2. ed. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, Departamento de Cultura, Governo do Estado de Pernambuco, 1978. p. 85.

 

KRAEMER NETO. Nos tempos da velha escola. Porto Alegre: Sulina, 1969.

 

LEITE, Luís Filipe. Jornal Ilustração Luso-brasileira, Lisboa, em 1856. Archivo Universal, Tomo IV, p. 19-21, 67-71, 1860.

 

LINS, Ivan. Nísia Floresta. História do Positivismo no Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967. p. 19-27.

 

MARCUCCI, Ettore. Le lagrime d’un Caeté. Poemetto di Floresta Augusta Brasileira tradotto dal portoghese altrettanti versi italiani da Ettore Marcucci. Firenze: Le Monnier, 1860.

 

MARIZ, Zélia Maria Bezerra. Nísia Floresta Brasileira Augusta. Natal: Editora Universitária, 1982.

 

MARSON, Isabel. Movimento Praieiro: imprensa, ideologia e poder político. São Paulo: Moderna, 1980.

 

MEYER, M. Voláteis e versáteis, de Variedades e Folhetins se fez a chrônica. Boletim Bibliográfico. Biblioteca Mário de Andrade.

 

São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, Departamento de Bibliotecas Públicas, v. 46, n. (1/4), jan./dez. 1985.

 

NEPOTE, Didimo. L’ Etá Presente. 14 ago. 1858, ano 1, n. 7. OSÓRIO, Fernando. Mulheres farroupilhas. Porto Alegre: Livraria Globo, 1935.

 

 

PALHARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. Nísia Floresta, O Carapuceiro e outros ensaios de tradução cultural. São Paulo: Hucitec, 1996.

 

PEREIRA, Nilo. Discurso no enterro de Nísia Floresta. Revista Bando, Natal, v. IV, n. 7, p. 135, jan. 1955.

 

PEREIRA, Nilo. Nísia Floresta de volta ao Brasil. Tribuna do Norte, Natal, 26 maio 1985.

 

PEREIRA, Nilo. Nísia Floresta e o Recife. Contexto, A República, Natal, 5 jun. 1977.

 

PIGNATARI, Décio. Crônica. Folha de S. Paulo, 12 nov. 1986. PINTO, João Batista. Nysia Floresta. O Poti, Natal, 29 set. 1985. QUINTAS, Amaro. O sentido social da Revolução Praieira.

6. ed. Recife: Massangana, Fundação Joaquim Nabuco, 1982.

 

RENAULT, Delso. Rio de Janeiro: a vida da cidade refletida nos jornais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: MEC, 1978. p. 46

 

REVISTA BANDO. Natal, v. IV, n. 7, jan. 1955.

 

REVISTA POTIGUAR. Rio de Janeiro, n. 20, out. 1939.

 

REVUE DES DEUX MONDES. Paris, mars., v. 86, p. 369-70, 1870.

 

SABINO, Ignez. Mulheres illustres do Brazil. Rio de Janeiro, Paris: H. Garnier, Livreiro-Editor, 1899. (Edição fac-similar, Florianópolis: Mulheres, 1996).

 

 

SÁNCHEZ, Laura; PINHEIRO, Rute. Nísia Floresta: memória e história da mulher intelectual do século XIX. Foz do Iguaçu, PR: Epígrafe, 2018.

 

SCHMIDT, Afonso. Nísia Floresta. O Estado de São Paulo, 15 nov. 1944. SEIDL, Roberto. Nísia Floresta: 1810-1885. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 1933.

 

TARUBE, Maria José. Movimentos feministas. O Diário do Povo, Campinas, 8 mar. 1991.

 

TESTAMENT D’Auguste Comte, avec les documents qui s’y rapportent. Publié par ses exécuteurs testamentaires, seconde édition. Paris: Fonds Typographique, novembre, 1896. p. 236.

 

TRINDAD, Socorro. Feminino feminino. Natal: Editora Universitária, 1981.

 

TRINDAD, Socorro. Nísia Floresta: mito ou persona non grata? Tribuna do Norte, Natal, 28 abr. 1985.

 

TRINDAD, Socorro. O voto feminino no Brasil: Nísia Floresta tem a ver com isto. Tribuna do Norte, Natal, 05 maio 1985.

 

VIDAL, Olmio Barros. Precursoras brasileiras. Rio de Janeiro: A Noite, s/d.

 

 

 

OUTRAS FONTES DE PESQUISA

Nísia Floresta – Uma mulher à frente do seu tempo

https://www.fundacaoulysses.org.br/wp-content/uploads/2016/11/Nisia-Floresta-Completo.pdf

 

Nísia Floresta: a primeira educadora feminista do Brasil:

https://educacaointegral.org.br/reportagens/nisia-floresta/

 

Opúsculo Humanitário

http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002106.pdf

 

Nísia Floresta – Constância Lima Duarte

http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4711.pdf

 

Opúsculo Humanitário – Senado Federal

http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/562126

 

Projeto Memória – Nísia Floresta

http://www.projetomemoria.art.br/NisiaFloresta/index.html

© 2023 por MP Comunicação